Depoimento - Seguindo os passos...

Seguindo os passos...

“Eles nunca pregaram o Evangelho sem antes oferecer curativos para as feridas, remédios para as enfermidades, agasalho aos desabrigados, alimento aos famintos e abrigo aos necessitados.” Ao meditar sobre a Missão Cristã e suas atividades ao longo desses anos todos desde a sua fundação fico perplexo com a grandiosidade desse trabalho. Iniciado com tanta dificuldade e em uma época de verdadeiras epopeias, carregadas de aventuras riscos e inúmeros desafios. Não conheci o início, pois sou da terceira geração após o inicio de tudo, mas me lembro bem, de algumas coisas que marcaram minha infância. Em casa, sempre havia uma embalagem grande e estranha de medicamentos. Eram remédios e vitaminas que eram doados pelos irmãos da Alemanha. Quando chegava o frio típico de julho, quando nossos shorts curtos feitos de retalhos e as finas camisas de tergal não eram suficientes para agasalhar. O baú era aberto e lá estavam inúmeras blusas, agasalhos de diversos tamanhos, tinha para toda a família. Agasalho esses, que a Missão Cristã doava para quem precisasse. Creio que para aqueles que viveram naquela época essa realidade é multiplicada em milhares de lares mato-grossenses, bolivianos, ribeirinhos do Rio Guaporé, alcançando regiões até hoje consideradas por nós como selvagens e perigosas demais pra irmos até lá. Porém eles foram, um casal apenas, em um barco, passavam dias e semanas embrenhados na selva, navegando aguas nunca antes percorridas por eles, visitando índios e moradores daquelas regiões onde não haviam médicos, onde não havia agasalhos, onde não havia vizinhos. Falando uma língua estranha. Um português com forte sotaque alemão. Mas nada disto era empecilho para fazer o que a Missão Cristã se propunha fazer. Levar assistência social a quem precisasse, e através disto oferecer o Evangelho de Cristo. Hoje, em 2013 estamos em um mundo totalmente diferente, e a Missão Cristã também está diferente. Uma nova geração está à frente daquele trabalho pioneiro, novas realidades estão aí expostas. Feridas, doenças, necessidades, fome e sede de justiça, epidemias e vícios, em uma sociedade (sub) desenvolvida. À custa da modernização, dissimulação da verdade, impregnada por toda sorte de impureza e levada por uma onda de religiosidade falsa que leva o homem cada vez mais pra longe da verdade de Deus. Precisamos Hoje, olhando para o passado exemplar daqueles que fundaram essa instituição tão útil e que tanto fez pela sociedade e pelas almas em uma época quando tudo parecia ser impossível de se realizar pelas condições geográficas, materiais e disposição de pessoas a irem juntos fazer o trabalho. Precisamos repensar nossas ações enquanto Missão Cristã, e “Voltarmos” aos primeiros passos. Vê-la como instrumento de, e para uma mudança social significativa. Não apenas como um instrumento de, e para a religião. Pois o evangelho muda os corações, mas só nossas ações e atitudes fruto do altruísmo poderão mudar a sociedade. Transformando vidas desprezadas e esquecidas nesta sociedade capitalista e individualista em vidas aceitas na família, na comunidade onde vive, na sociedade brasileira e na Igreja de Cristo. Reafirmando assim um princípio bíblico muitas vezes esquecido por nós “Fé Sem Obras é Morta”. E obras aqui se refere exclusivamente a serviço e assistência social àqueles que precisam. No Amor de Cristo, Josafá Gomes Pereira